O que é o cranco do rim.jpg
O que é o cancro do rim?
O cancro renal é provocado por alterações no ADN das células do rim. O nosso organismo produz constantemente novas células, que nos permitem crescer, substituir células envelhecidas ou reparar células danificadas por uma lesão. Este processo é controlado pelos genes, que constituem o ADN. Todos os cancros são provocados por alterações nos genes.​
Geralmente, as alterações nos genes que causam cancro acontecem ao longo da vida mas, num pequeno grupo de pessoas, estas alterações são transmitidas de pais para filhos. O cancro do rim é mais frequente nos homens do que nas mulheres e geralmente diagnosticado entre os 50 e 70 anos.
Na maioria dos casos só é diagnosticado por acidente, o cancro do rim começa por ser pequeno e vai crescendo ao longo do tempo. Normalmente, caracteriza-se por possuir uma única massa, mas pode existir mais do que um tumor num ou em ambos os rins. Se for tratado numa fase precoce, tem boas probabilidades de curar total. Se as células alastrarem para os tecidos circundantes ou para outras partes do corpo (outros órgãos ou ossos), poderá crescer e formar um novo tumor nesse local, o qual recebe o nome de “metástase”.
Cancro primário é o nome que se dá a um cancro que se formou num determinado órgão (no rim, neste caso), mas que não alastrou.
 
Cancro secundário, “metástase”, “metastático” ou “avançado” é o tipo de cancro que alastrou a partir de outra parte do corpo. É raro um cancro de outra parte do corpo disseminar para o rim.
O cancro do rim afeta, em Portugal, cerca de 600 a 700 novas pessoas todos os anos e representa 1,8% de todos os cancros malignos. Atinge maioritariamente pessoas entre os 60 e 70 anos e o risco é cerca de  1,5 vezes maior nos homens do que as mulheres.
Tipos de cancro do rim
Os principais tipos de cancro do rim são o carcinoma de células claras, o carcinoma de células translocação, o carcinoma sarcomatoide e o carcinoma do urotélio Os CCR correspondem a cerca de 80% de todos os casos de cancro no rim, sendo a maioria dos restantes casos causados por carcinomas uroteliais.
Os principais tipos são:
Carcinoma de células claras: 
É a forma mais comum de carcinoma das células renais, contribuindo para cerca de 80% dos casos de cancro renal. Vistas ao microscópio, as células que compõem o cancro parecem vazias ou transparentes.
Carcinoma de células papilares:
Cerca de 10 a 15% das pessoas têm este tipo de cancro renal. Neste caso formam-se pequenas ramificações em forma de dedos, a que se dá o nome de papilas.
Carcinoma cromofóbico:
Contribui para cerca de 5% dos casos de cancro renal. As células deste tipo de cancro são grandes e pálidas. 
Carcinoma de translocação: 
Tipo de cancro do rim que ocorre mais frequentemente nas crianças e jovens adultos. Em alguns casos, pode surgir em pessoas com doenças autoimunes ou que já tenham feito quimioterapia para outro cancro ou preparação para um transplante de medula.
Carcinoma sarcomatoide:
Muitos dos outros tipos de cancro renal podem transformar-se em carcinoma renal “sarcomatoide”. Ao microscópio, o aspeto das células cancerosas é mais agressivo e desorganizado.
Carcinoma do urotélio: 
Também designado carcinoma de células de transição, este cancro forma-se a partir das células do revestimento do sistema de drenagem do rim e não das próprias células do rim.

Tradução IKCC - International Kidney Cancer Coalition