ac rim cuidador.jpg

Se é cuidador pense no doente

Quando um ente querido sofre de cancro, o normal é que sejam as pessoas mais próximas, na medida das suas possibilidades, a encarregar-se do seu bem-estar. Cuidar de um familiar com esta doença não é fácil e pode fazer-nos passar por momentos difíceis. Mas se se encontrar nesta situação, deve saber que na sua posição de cuidador também pode fazer muitas coisas para ajudar a pessoa de quem gosta. Naturalmente nem tudo está ao seu alcance, mas pode facilitar-lhe muitos aspetos do seu dia-a-dia.

O dia-a-dia

Quando uma pessoa sofre de cancro, o cansaço físico pode impedi-la de realizar as tarefas mais rotineiras. Este mal-estar pode dever-se tanto ao tratamento como ao decorrer da própria doença.

Entre as atividades que provavelmente lhe custam fazer encontram-se as tarefas do lar. Pode ajudar o seu familiar dando-lhe uma ajuda em todas essas tarefas que requerem esforço físico e que o próprio não pode fazer ou assumir que necessita. Deve também avaliar o tempo e esforço que levará a realizar todas as tarefas. E se se sentir sobrecarregado, peça ajuda a outros familiares ou amigos. Não há razão para fazer tudo sozinho.

Acompanhá-lo ao médico

Por vezes, a ansiedade ou a debilidade física da pessoa com cancro não lhe permitem perceber bem o que lhe é dito pelo médico nas consultas.

Isto é normal devido ao stress emocional que pode afetar as pessoas com esta doença. O doente pode acabar por sair da consulta sem ter compreendido os conselhos do seu médico.

Por isso é muito conveniente que vá com o seu ente querido às consultas médicas. Acompanhe-o sempre que possa. Quando não for possível, avalie a possibilidade de ir outro familiar ou amigo.

Obtenha o máximo proveito da conversa com o médico.

Ser o seu apoio emocional

Quando uma pessoa é diagnosticada com cancro, pode levar tempo a aceitá-lo. Normalmente, precisa de um período de adaptação à nova situação. Contudo, cada pessoa reage de maneira diferente perante a doença.

Há pessoas que agem como se não fosse nada, outras podem sentir frustração e raiva e algumas podem adotar uma atitude mais ativa.

O importante é acompanhar a pessoa para que não se sinta só. Por isso, mesmo que seja difícil, é importante falar e partilhar medos, dúvidas e preocupações.

Se é cuidador, pense também em si

Cuidar de uma pessoa querida com cancro é uma tarefa que pode ser simultaneamente gratificante e desgastante. É gratificante na medida em que estamos a ajudar uma pessoa que amamos e que precisa, ajudando-a a sentir-se melhor. No entanto, também pode ser desgastante a responsabilidade e a impotência nos dias em que o nosso familiar não se sente bem.

Tenha presente que é importante estar bem (que se sinta forte, com ânimo) para poder oferecer à outra pessoa os melhores cuidados. Isto pode exigir que reserve algum tempo para si próprio. Por exemplo, fazer alguma atividade física, como dar um passeio diário, pode ajudar e não lhe roubará muito tempo. E sobretudo será benéfico para si. Este tipo de pequenos passos e rotinas podem ajudar a melhorar o seu estado de espírito.

Também deve evitar isolar-se. É importante manter as relações com o seu grupo de amigos, cônjuge, familiares ou conhecidos. Isso vai ajudá-lo a partilhar as suas preocupações com eles ou a pedir-lhes colaboração, e assim reduzirá a sua sensação de sobrecarga e stress.

Para além disso, tente dormir ou descansar o necessário, comer bem, fazer exercício e manter os seus passatempos favoritos sempre que possível. A sua saúde é importante.