Glossário de termos
+.png
-.png

ADN: trata-se de uma molécula (cujas siglas são ácido desoxirribonucleico) que tem por missão armazenar a informação genética que regula o crescimento, divisão e função das células.

Anticorpos: são proteínas produzidas pelo sistema imunitário cuja função é proteger o corpo de agentes que podem ser nocivos. Os anticorpos respondem a antigenes que contêm estes agentes, e desta forma definem o organismo. Cada anticorpo atua contra um antigene específico.

Angiogénese: é um processo essencial na transformação maligna do crescimento de um tumor, o qual consiste na formação de novos vasos sanguíneos a partir de outros já existentes. É um fenómeno normal durante o desenvolvimento embrionário, no crescimento do organismo e na cicatrização de feridas.

Antigénio: molécula que se pode ligar especificamente a um anticorpo. Os antigénios podem estimular a produção de anticorpos e desencadear uma resposta imunitária.

Biomarcador: molécula biológica encontrada nos tecidos e fluidos corporais, como o sangue, que pode indicar se um processo está a funcionar normalmente ou não, assim como o estadio da doença.Conhecido também como marcador molecular, os biomarcadores podem ser utilizados para se compreender o potencial da resposta a um tratamento específico.

Biomarcador preditivo: um biomarcador utilizado para avaliar a probabilidade de uma resposta ou falha da mesma a uma determinada terapêutica, ou os diferentes outcomes de 2 ou mais intervenções clínicas.

Biópsia: procedimento através do qual se retiram amostras de tecido e células necessárias ao diagnóstico do cancro.

Biopsia do gânglio sentinela: excisão do gânglio do primeiro gânglio de drenagem do tumor (ver gânglio sentinela).

Cancro: é uma doença que se caracteriza pelo crescimento descontrolado de células de um tecido que invadem outros tecidos saudáveis do organismo, podendo também desloca-los ou destruí-los. Os seus sintomas e tratamentos podem ser muito diferentes em função da zona afetada e do estádio em que se encontra.

Carcinoma: trata-se do tipo mais comum de cancro, que deriva das estruturas epiteliais ou glandulares. A pele, boca, pulmão, rim, mamas, estômago, cólon e útero são as partes do corpo em que se encontra com mais frequência este tipo de tumor maligno.

Células apresentadoras antigénios (APCs): células especializadas que podem processar os antigénios e exibi-los na superfície celular juntamente com outras proteínas co-estimuladoras necessárias para a ativação das células T naïve. A maioria destas células são células dendríticas, macrófagos e células B.

Células T ativadas: a célula T que foi estimulada a destruir células infetadas ou células tumorais após ligação com célula apresentadora de antigénio.

Células T inativa: a célula T que recebe sinais inibitórios para regular negativamente a sua atividade na execução da resposta imunitária.

Células T reguladoras: são células T efetoras que inibem a resposta das células T. Diferentes tipos de subgrupos foram distinguidos.

Checkpoint imunitário: via inibitória que regula as diferentes fases da resposta imunitária.

CTLA-4: antigénio 4 do linfócito T citotóxico, recetor inibitório de uma via de checkpoint imunitário.

Desregulação: interrupção ou diminuição do processo regulador fisiológico (incluindo o imunológico).

Evasão tumoral: conjunto de mecanismos através dos quais as células tumorais conseguem escapar a deteção e destruição imunitária. Também conhecido por fase de escape.

Estádio ou estado: sistema de classificação dos tumores, em função da sua extensão e da sua disseminação pelo organismo.

-.png
+.png

Imunidade (sistema imunitário): sistema de identificação e de defesa do organismo contra doenças, infecções, moléculas ou tecidos estranhos.

Imunohistoquímica (IHC): é uma técnica comum usada no diagnóstico tumoral. Deteta a expressão de uma proteína ou fosfoproteína numa amostra de tecido histológico. IHC utiliza anticorpos moleculares específicos juntamente com corantes colorimétricos para visualização microscópica das moléculas sinalizadas.

Imunoterapia: trata-se de um tratamento para o cancro cujo objetivo é destruir as células tumorais estimulando o sistema imunitário para que as reconheça e elimine.

Immunoediting: processo contínuo durante o desenvolvimento tumoral onde o sistema imunitário por um lado, protege o organismo do desenvolvimento de células tumorais e, por outro, promove o seu crescimento. Existem três fases: eliminação, equilíbrio e escape.

Imuno-oncologia: a ciência de estimular o sistema imunitário do próprio organismo a combater o cancro.

Maligno: o mesmo que cancro ou neoplasia maligna. Tumor que tem a capacidade de invadir e destruir os tecidos adjacentes, disseminando-se depois para outras partes do corpo.

Marcadores tumorais: substâncias produzidas por algumas células cancerígenas. Podem estar presentes nos tecidos, no sangue ou na urina de doentes com cancro; também podem ser produzidos em situações benignas, tal como nos processos inflamatórios.

Metástase: trata-se de um processo mediante o qual um tumor primário maligno se dissemina para órgãos distantes. A presença de metástases é um fator muito importante no momento de determinar o tratamento e possível cura de um cancro.

Microambiente tumoral: ambiente celular no qual o tumor existe, incluindo células normais, moléculas, vasos sanguíneos que rodeiam e sustentam as células tumorais. O tumor pode afetar o microambiente enquanto o microambiente pode interferir na proliferação tumoral e metástases.

Neoplasma ou Neoplasia: crescimento anormal de células, dando origem a um tumor. Pode ser benigno, inicial ou localizado (in situ), ou maligno.

+.png
-.png

PD-1: proteína da morte celular programada-1, recetor inibitório de checkpoint imunitário.

PD-L1: ligando da proteína da morte celular programada-1, proteína transmembranar que se liga ao recetor PD-1.

PD-L2: ligando da proteína da morte celular programada-2, ligando secundário para o recetor PD-1.

PET (Tomografia de emissão de positrões): estudo de imagem que utiliza material radioactivo para visualização de lesões no corpo, na maioria, lesões malignas. Para além da informação morfológica dá também informação funcional.

Quimioterapia: é um tratamento comum para o cancro que consiste em fármacos cuja missão é evitar a proliferação e o crescimento das células cancerígenas.

Radioterapia: é um tratamento oncológico local que atua sobre o tumor, cujo objetivo é eliminar as células cancerígenas, impedindo assim que se reproduzam. Esta terapia é baseada em radiações ionizantes (raios X ou radioactividade).

Recaída: é o reaparecimento do cancro após tratamento; refractário é um cancro que resiste aos tratamentos.

Resposta imunitária: resposta do sistema imunitário a uma substância estranha ou antigénio.

Resposta imunitária adaptativa: no cancro, reação imunitária que é específica para um determinado antigénio relacionado com o tumor.

Resposta imunitária inata: primeira linha de defesa do organismo contra o cancro que não envolve o reconhecimento específico de antigénios.

TAC (tomografia axial computorizada): estudo computorizado radiográfico que gera imagens em cortes do órgão examinado.

Terapêuticas imuno-oncológicas: agentes que modulam vários componentes do sistema imunitário como combate ao cancro.